Agende uma Reunião

O papel dos pais da criança autista

Autismo-O papel dos pais

Ao receber o diagnóstico de TEA (Transtorno do Espectro Autista), a primeira ação a ser tomada é dar segurança e estímulos à criança para ajudá-la a superar os desafios e conquistar muitos aprendizados que irão desenvolver as suas habilidades e a sua independência.

O autismo não tem cura, porém quanto antes se iniciar o tratamento, melhor a criança vai responder aos estímulos gerados pelas intervenções dos profissionais que irão ajudar neste processo.

Uma terapia multidisciplinar promove o desenvolvimento em vários aspectos comportamentais da criança. Elas se complementam e potencializam o desenvolvimento infantil.

Além da segurança e dos estímulos à criança, os pais devem ser consistentes no tratamento. Isto reforça o aprendizado dado pelos profissionais. Crie uma rotina para a criança, tenha horários, ordem cronológica das atividades. Isto faz com que as crianças consigam uma melhor qualidade de interação pois se sentem mais seguras e compreendem melhor a rotina.

Elogie sempre! Estimule os comportamentos positivos. As crianças com TEA precisam saber de maneira clara porque estão recebendo o elogio. Fale sobre a atividade ou ação que a criança fez para merecer o elogio. Use frases curtas e objetivas.

Preste atenção em como a criança se comunica. O tom de voz, o toque, o olhar, são algumas formas de comunicação não verbal que fazem a diferença no mundo da criança com TEAQuanto mais você aprender sobre TEA e o seu filho, melhor será o desenvolvimento dele.

Algumas características são comuns entre crianças com TEA como hipersensibilidade a luz, sons, cheiros, toques na pele. Descubra o que causa sentimentos positivos e negativos na criança. Assim os pais conseguem antecipar e neutralizar as ansiedades causadas por estes estímulos.

Leia, estude e aprenda sobre o universo TEA. Quanto mais conhecimento, melhor será a escolha sobre a intervenção que irá ajudar no desenvolvimento da criança, aumentando o seu aprendizado, suas habilidades e independência.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email